Dia de...?


Este ano, e pela primeira vez, tive a oportunidade de participar no Dia D. Sabe-se lá porquê nunca me mereceu muita atenção mas este ano (sabe-se lá porquê) fui motivado a ir.
Para além do convívio e de alguns apontamentos lúcidos que se podiam tirar, este foi aquele tipo de actividades que são tudo menos exemplo para o que se deve querer de uma actividade escutista. Senão vejamos.

> Local: Não sou escuteiro de Hotel ou de Estalagem. Mas quando penso em acampar, penso numa mata, numa bouça, num campo com ervas ou mesmo calhaus... um campo de futebol... é campo... mas não deixa de parecer aquele tipo de campismo no quintal das traseiras de casa...
> Desperdício de verbas... os 30,00 € de inscrição não se justificavam e não se justificaram atendendo a que de uma forma mais partilhada e menos 'cateringizada' se tinha feito a mesma ou mais festa... Acrescentando gasóleo e portagens... até doeu...
> Organização (ou a falta dela)... Penso que foi evidente que houve um Cristo (ou uma... para ser mais preciso) que foi incansável em que tudo corresse bem; mas já não se justifica que não haja uma equipa com responsabilidades repartidas, ainda por cima quando estamos a falar de uma actividade nacional.
> Qualidade... Já quando foi do Fórum Nacional, falei no assunto mas foi como sementes que caíram no asfalto... Quando, a meio de uma abertura, se vai andar a acertar com imagem do datashow para caber na tela porque ninguém posicionou aquilo, dá no que dá as actividades nos agrupamentos, nos núcleos, nas regiões... e aberturas de Nacionais e por aí fora... É óbvio que quando se falha nas coisas insignificantes, já se sabe que em coisas simples como uma Vigília não se pode esperar muito e então nas grandes... Qualidade é coisa de marcas.. Atlantis e Vista Alegre... Escutismo tem que ser sempre no desenrasca...
> Espírito... Espírito deve ter sido o que menos faltou... e graças a Deus as cervejas não são muito espirituosas, porque se se entrasse pelas pomadas da região era o céu... Obviamente que nem todos enveredaram nesta espiritualidade liquefeita mas, mesmo que fosse uma minoria (uma minoria grande...), no melhor pano cai a nódoa... e depois só se repara na nódoa. [Também explica muitos comportamentos dos elementos nas actividades e fico-me, agora por aqui...]
> Filosofia... Decerto que o espírito de convívio entre dirigentes é extremamente importante, que alguns momentos de descompressão nos ajudam a enfrentar um novo ano de actividade de uma forma mais desafogada... mas não me parece que o desafogamento fosse uma necessidade premente dos que lá foram... já, pelo que referi, uma necessidade de formação/actualização/aprofundamento talvez fosse muito mais pertinente e apropriada.
Este foi a primeira vez que fui... e, a continuar assim, a última!

2 comments:

At quinta-feira, 29 novembro, 2007 Pantera Ágil said...

Pelo teu relato dá para ver que esta actividade necessita de uma reformulação profunda e urgente.
Será mais uma tarefa para a nova junta central?!

O usar e abusar do 11º artigo da Lei (O Escuta desenrasca-se) começa a ser norma....

Escutismo de qualidade, requer, também, qualidade na sua programação, preparação e execução... n\ao pode ser só para ficar bonito nos N relatórios que cada vez mais se pedem...

 
At sexta-feira, 14 dezembro, 2007 Ana Catarina Carneiro said...

Quando as coisas nao correm como a gente idealiza, não há volta a dar-lhe!!

Às vezes, costumo dizer-te, que os agrupamentos hoje em dia, fazem pouco escutismo, e eu pergunto-te, como é que se pode fazer escutismo num agrupamento se as próprias actividades para os Dirigentes, não são feitas com escutismo!

Para mim Escutismo, é aventura, é lazer, é prazer, é dar acima de receber, é campo, é monte, é caminhar, é estar, é ser, é tenda, fogueira, e palhaçadas, é lua, estrelas, e por vezes chuva!!!... é um misto de alegrias e sentimentos que nos transforma nas noites de luar e nos dias de Sol ;)

ABC qb
_atucse_ aka Ana Catarina Carneiro

 

Enviar um comentário